top of page
Buscar
  • Foto do escritorConteúdos Católicos

Os tormentos do inferno

Vivamos a nossa vida sempre em união com o Salvador.

Ele nos criou para o Céu, mas temos que dar provas também do nosso amor por Ele.

Ninguém conquista o Reino dos Céus sem lutar em santidade e perseverança contínua.

Tenhamos gravados em nossos corações os Mandamentos de Deus e das Suas Palavras nas Sagradas Escrituras para exercermos com fidelidade e constância essa luta que é de cada um, em cada tempo e circunstâncias da vida.

Nesse mundo ainda temos algum descanso para nos renovarmos à cada dia pelo Poder do Espírito Santo, mas não vacilemos e não diminuamos no empenho, pois se nos entregarmos à alguma desculpa inútil ou motivo encontrarmos para nos distanciarmos da meta, poderá ser-nos prejudicial em maior ou menor gravidade.

No entanto, estejamos alertas e prudentemente sigamos a nossa vida, amando sempre o Senhor acima de tudo, pois não existe e não deve existir nada que coloque obstáculos de não correspondermos ao Seu infinito amor por nós.

Quem não quer saber disso e não O busca, permanece em pecados graves e a sua vida está em grande perigo de se perder.



A sensação dos tormentos do inferno é essencialmente terrível


Ele se parece, ó alma minha, como uma noite escura sobre o cume de uma montanha alta. Lá em baixo há um vale profundo, e a terra se abre de maneira que, com o teu olhar, podes ver o inferno e sua profundidade. Ele se parece como uma prisão situada no centro da terra, muitos quilômetros abaixo, todo cheio de fogo, preso num recinto de forma tão impenetrável que, por toda a eternidade, nem sequer a fumaça pode escapar.

Nesta prisão os condenados estão próximos uns dos outros como tijolos num forno...

Imagine o calor do fogo em que são queimados.


Primeiramente, o fogo se alastra por todas as partes e tortura inteiramente o corpo e a alma. Uma pessoa condenada permanece no inferno para sempre no mesmo lugar que foi destinado pela justiça divina, sem ser capaz de mover-se, como um prisioneiro num tronco.

O fogo que o envolve totalmente, como um peixe na água, o queima em volta, à sua esquerda, à sua direita, encima e em baixo. Sua cabeça, seu peito, seus ombros, seus braços, suas mãos e seus pés estão totalmente invadidos pelo fogo, de maneira que ele, por

inteiro, se assemelha a um peça de ferro incandescente e cintilante, que acaba de ser

retirado do forno. O teto do recinto em que moram as pessoas condenadas é de fogo; a comida que se come é fogo; a bebida que se toma é fogo; o ar que se respira é fogo; tudo

quanto se vê e se toca é fogo...

Mas este fogo não está simplesmente fora dele; além do mais ele transpassa pela pessoa condenada. Invade o seu cérebro, seus dentes, sua língua, sua garganta, seu fígado, seus pulmões, seus intestinos, seu ventre, seu coração, sua veias, seus nervos, seus ossos,

inclusive a medula, bem como o sangue.


"No inferno - segundo São Gregório Magno - haverá um fogo que não pode se apagar,

um verme que não morre, um cheiro insuportável, uma escuridão que pode se sentir,

castigo por açoite de mãos selvagens, com todos os presentes desesperados por qualquer

coisa boa."

Um dos fatos mais terríveis é que, pelo poder divino, este fogo vai tão longe como para atuar sobre as faculdades (aptidões) da alma, queimando-as e atormentando-as.

Suponhamos que eu me achasse colocado no forno de um ferreiro, de modo que todo o

meu corpo estivesse em pleno ar, exceto um braço que está posto no fogo, e que Deus fosse preservar a minha vida por mil anos nesta posição. Não seria isto uma tortura insuportável?

Como seria então estar completamente invadido e rodeado de fogo, o qual não atinge

apenas um braço, mas inclusive todas as faculdades (aptidões) da alma?


É mais espantoso do que o homem pode imaginar


Em segundo lugar, este fogo é muito mais espantoso do que o homem pode imaginar. O fogo natural que vemos durante esta vida tem um grande poder para queimar e atormentar. Não obstante, este não é nem sequer uma sombra do fogo do inferno. Há duas razões pelas quais o fogo do inferno é muito mais atroz, que vai além de toda comparação, do que o fogo deste mundo.


A primeira razão é a justiça de Deus, da qual o fogo do inferno é um instrumento dirigido para castigar o mal infinito causado contra a sua suprema majestade, que fora menosprezada por uma criatura. Para tanto a justiça supre este elemento com um poder tão grande que quase alcança o infinito.


A segunda razão é a malícia (perversidade) do pecado. Como Deus sabe que o fogo deste mundo não é suficiente para castigar o pecado como este merece, Ele tem dado ao fogo do inferno um poder tão grande que nunca poderá ser compreendido pela inteligência humana. Entendem agora, o quão eficazmente queima este fogo?


O fogo queima tão eficazmente, - ó minha alma! - que, de acordo com os grandes mestres da escola ascética, se uma simples faísca caísse numa pedra de moinho, esta se reduziria num instante em pó. Se caísse numa bola de bronze, esta se derreteria instantaneamente como se fosse de cera. Se caísse sobre um lago congelado, este haveria de ferver no mesmo instante.


Façamos uma breve pausa, ó alma minha, para que tu respondas a algumas perguntas que te farei.


Primeiro, te pergunto: Se um forno especial fosse acesso, como usualmente se faz para atormentar os mártires, e, então, alguns homens colocassem diante de ti todo tipo de bens que o coração humano possa desejar, e garantissem a oferta de um reino próspero - se tudo isso te fosse prometido em troca de que entrasses, só por meia hora, no forno ardente, o que escolherias fazer?


Nem por cem reinos! "Ah! - dirias - "se me oferecesses cem reinos, eu nunca seria tão idiota em aceitar tais extremos tão brutais, não importa quantas coisas importantes me oferecessem, mesmo que estivesse segura de que Deus iria preservar a minha vida durante esses momentos de sofrimento."


Em segundo lugar, eu te pergunto: Se tu já estivesses na posse de um grande reino, e estivesses nadando num mar de riqueza, de maneira que não precisarias de nada, e fosses atacada por um inimigo, feita prisioneira e acorrentada, se fosses obrigada a escolher entre perder o teu reino ou passar meia hora dentro de um forno incandescente, o que escolherias? "Ah! - dirias - prefiro passar toda a minha vida na pobreza extrema e submeter-me a qualquer injúria e infelicidade do que sofrer tão grande tormento!"


Uma prisão de fogo eterno


Neste instante, dirige os teus pensamentos daquilo que é temporal para o que é eterno. Para fugir do tormento de um forno ardente, que duraria somente meia hora, tu sacrificarias qualquer propriedade, principalmente as coisas que mais te satisfazem, e estarias disposto a sofrer qualquer outro dano temporal, não importando quão trabalhoso pudesse ser. Então, por que não pensas da mesma maneira quando discutes sobre os tormentos eternos?

Deus não te ameaça com meia hora de suplício dentro do forno ardente, mas, pelo contrário, com uma prisão de fogo eterno. Para escapar dela, não deverias renunciar a

tudo o que está proibido por Ele, não importando quão prazeroso possa ser, e abraçar

alegremente tudo quanto Ele ordena, mesmo que fosse extremamente desagradável?


O mais espantoso do inferno é a sua duração. A pessoa condenada perde a Deus e o perde

por toda a eternidade. Aliás, o que é a eternidade?

Ó alma minha, até agora nenhum anjo pode compreender o que é a eternidade!

Como então poderás tu compreendê-la? Ainda assim, para formarmos alguma ideia sobre

ela, consideremos as seguintes verdades:


A eternidade nunca termina


Esta é a verdade que tem feito tremer até os maiores santos. O juízo final virá e o mundo será destruído, a terra engolirá todos os condenados, e estes serão lançados no inferno. Então, com sua mão todo-poderosa, Deus os encerrará para sempre em tão amaldiçoada prisão.

Desde então, tantos milênios se passaram como há folhas nas árvores e nas plantas de toda a terra, tantos milhares de anos, como existem gotas de água em todos os mares e rios da terra, tantos anos como existem átomos no ar, como existem grãos de areia em todas as praias de todos os mares. Logo, depois de passarem todos estes incontáveis anos, o que será a eternidade?


No entanto ela não será sequer uma centésima parte dela, ou uma milésima - nada. Então começará novamente e durará tanto como antes, novamente, assim por diante, até que haja se repetido mil vezes, e um bilhão de vezes, novamente. E logo depois de um período de tempo tão longo, nem sequer terá passado a metade, nem sequer uma centésima parte ou uma milésima parte, nem sequer uma parte da eternidade. Em todo este tempo não haverá interrupção na queima dos condenados, começando tudo novamente. Oh! que mistério profundo! Um terror sobre todos os terrores! Oh! eternidade! Quem pode compreender-te?


Suponhamos que, no caso do maldito Caim, chorando no inferno, somente derramasse a cada mil anos uma única lágrima. Agora, alma minha, guarde os teus pensamentos e leve em consideração este fato: por seis mil anos, no mínimo, Caim tem estado no inferno e tem derramado apenas seis lágrimas, que Deus milagrosamente lhe preservara.


Quantos anos levariam para que as suas lágrimas cobrissem todos os vales da terra e inundassem todas as cidades, povos e vilas e todas as montanhas até que inundasse

toda a terra? Sabemos que a distância entre a terra e o sol é de trinta e quatro milhões de

léguas. Quantos anos faltariam para que as lágrimas de Caim enchessem este imenso espaço? Da terra ao céu estimamos que haja uma distância de cento e sessenta milhões de

léguas.


As lágrimas de Caim


Oh! Deus! Que quantidade de anos teríamos que imaginar que seria necessário para encher de lágrimas este imenso espaço? E ainda assim - Oh! Verdade incompreensível!

estejam seguros disto, porque Deus não pode mentir - chegaria o tempo em que as lágrimas de Caim seriam suficientes para inundar o mundo, para alcançar inclusive o sol,

para tocar o céu, e encher todo o espaço entre a terra e o mais alto do céu. Isso, porém, não

é tudo.


Se Deus secasse todas estas lágrimas desde a última gota, e Caim começasse chorar outra vez, ele voltaria outra vez a encher o espaço inteiro e o inundaria mil vezes e um milhão de vezes em sucessão, ao longo de todos esses incontáveis anos, nem sequer haveria passado a metade da eternidade, nem sequer uma fração. Depois de todo esse tempo, ardendo no inferno, os sofrimentos de Caim estariam tão somente começando. A eternidade, neste caso, não tem alívio. Seria de fato uma pequena consolação, de muito pouco benefício, para as pessoas condenadas, se fossem capazes de receber um breve alento a cada mil anos.


Não existe alívio


Imaginemos um lugar do inferno onde haja três malvados. O primeiro está submergido num lago de fogo sulfúrico; o segundo está preso numa grande pedra e está sendo atormentado por dois demônios, um dos quais constantemente lhe lança chumbo derretido na sua garganta, enquanto o outro lhe derrama sobre todo o seu corpo, cobrindo-lhe desde a cabeça até os pés. O terceiro réprobo está sendo torturado por duas cobras, uma das quais o envolve com seu corpo e o morde cruelmente, enquanto que outra entra no seu corpo e ataca o seu coração. Suponhamos que Deus se apiede dele e lhe conceda um curto respiro.


O primeiro homem, depois de haver passado mil anos, é removido do lago e ele recebe o conforto de tomar água fria, e, depois de passar uma hora, ele é novamente jogado no lago. O segundo, depois de mil anos de tormento, é removido de seu lugar e lhe é permitido descansar, mas logo depois de uma hora é jogado novamente no mesmo tormento. O terceiro, depois de mil anos se vê livre das cobras; porém, após uma hora de alívio, novamente é estuprado e atormentado por elas. Ah! quão limitada seria esta consolação - sofrer por mil anos para descansar somente por uma hora!


Aliás, o inferno nem sequer tem esta consolação. Todos se queimam sempre nessas chamas assustadoras e nunca recebem nenhum alívio em toda a eternidade. O condenado é corroído e ferido pelo remorso e nunca terá um descanso em toda a eternidade. Sempre sofrerá uma sede muito abrasadora e nunca receberá o frescor de um pouco de água em toda a eternidade. Sempre se contemplará detestado por Deus e nunca poderá receber a alegria de uma simples olhada de ternura de Deus por toda a eternidade.

O condenado se sentirá sempre maldito pelo céu e pelo inferno, e nunca receberá um

simples gesto de amizade.

É uma das desgraças essenciais do inferno que todo o tormento será sem consolo, sem remédio, sem interrupção, sem final, eterno.


A bondade de Sua misericórdia


Agora eu compreendo em parte, ó meu Deus, o que é o inferno. É um lugar de

tormentos excessivos, de desesperança extrema. É o lugar onde mereço estar por causa dos

meus pecados, onde eu estaria desterrado por alguns anos, se a Tua imensa misericórdia não me tivesse libertado. Repetirei mil vezes: O Coração de Jesus me tem amado, ou, do

contrário, agora eu estaria no inferno! O Sangue de Jesus me tem reconciliado com o Pai

Celestial, ou minha morada seria o inferno. Este é o cântico que eu quisera cantar a Ti, meu Deus, por toda a eternidade. Sim, de agora em diante, minha intenção é repetir estas

palavras tantas vezes como os momentos se sucedem desde aquela maldita hora em que te

ofendi pela primeira vez.


Qual tem sido a minha gratidão para com Deus pela bondosa misericórdia que Ele me tem mostrado? Ele me livrou do inferno. Oh! Imenso amor! Oh! Infinita bondade!

Depois de um benefício tão grande, não deveria eu lhe dar todo o meu coração e amá-Lo

com o amor do mais inflamante serafim? Não deveria eu dirigir todas as minhas ações até

Ele e, em cada coisa, buscar somente contentar a vontade divina, aceitando todas as

contradições com alegria, de maneira que possa lhe devolver o meu amor?

Poderia fazer alguma coisa menor do que isso depois de uma bondade tão grande! Oh! Ingratidão, merecedora de outro inferno! Deixar-te-ei de lado, Deus meu!

Resistirei à tua misericórdia, cometendo novos pecados e ofensas. Sei que tenho feito o

mal, ó meu Deus, e me arrependo de todo o meu coração. Ah! se pudesse derramar um mar de lágrimas por tão ofensiva ingratidão!

O Jesus, tem misericórdia de mim, visto que agora decidi melhor: sofrer mil mortes do que ofender-te novamente.


"De fato, que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e arruinar a sua vida?" Mc 8,36

"Melhor seria para aquele homem não ter nascido!" Mt, 26,4b



Introdução de Claudia Pimentel dos Conteúdos Católicos

Texto dos escritos de Santo Antônio Maria Claret












97 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mansidão

Commentaires


Post: Blog2_Post
bottom of page