top of page
Buscar
  • Foto do escritorCidade Radio

A TEOLOGIA DO CORPO




O casal unido à Deus deve viver santamente e conscientemente a sua sexualidade e deve entender que está nos planos de Deus gerar os filhos do fruto desse amor e como bênção de Deus.

O sexo possui 2 funções: Unitiva e procriativa, além de fortalecer o amor e a relação do casal.

Há muita desinformação por parte de muitos casais em relação à isso.


O Papa São João Paulo II então simplificou com a Teologia do Corpo essas questões.

Para se compreender bem é necessário conhecer a estrutura desse belo ensinamento.



A Teologia do Corpo ensinada por São João Paulo II compõe-se da seguinte estrutura:



PARTE I - AS PALAVRAS DE CRISTO


1. Cristo se refere ao princípio

2. Cristo se refere ao Coração Humano

3. Cristo se refere à Ressurreição


PARTE II - O SACRAMENTO


1. A Dimensão da aliança da Graça

2. A Dimensão do Sinal

3. A Lei da Vida como Herança



PARTE 1: AS PALAVRAS DE CRISTO


Em cada um dos três ciclos dessa primeira parte, o Papa toma como ponto de partida uma Palavra de Cristo no Evangelho, pela simples razão de que somente "Cristo revela o homem a si mesmo e descobre-lhe a sua vocação sublime" (GS, n.22).

Essa é uma das frases favoritas de João Paulo II, pois ele tem a convicção que só no mistério do Verbo Encarnado é descortinado a verdadeira identidade do ser humano. Em outras palavras, é como se ele dissesse assim: "O homem esqueceu o que é ser homem, então Deus se faz homem para ensinar novamente o homem e ser homem de verdade".


Nessa primeira parte, João Paulo II enquadra a Teologia do Corpo como a revelação do Plano de Deus entre dois pontos de referência: o "início" e o "fim" da história humana, divididos em 3 etapas e cada uma delas iluminadas pelas palavras de Cristo:


1. ORIGEM


A humanidade original tal como foi sonhada e criada por Deus. Aqui o papa responde como era a relação do ser humano com o corpo e a sexualidade antes do pecado original em total harmonia com o Projeto de Deus.


2. HISTÓRIA


A humanidade histórica, tal como nós conhecemos, dividida em 2 momentos:


a humanidade decaída, ou seja, ferida pelo pecado original.

a humanidade redimida, isto é, restaurada por Cristo.


Nessa segunda etapa das catequeses, o Papa apresenta o drama humano após a queda e as fissuras causadas em relação com o corpo e sexualidade, afetando a visão sobre si mesmo, Deus e os outros. Mas em seguida apresenta-nos a boa nova da obra da redenção operada por Cristo, que reconduz o ser humano à sua beleza e originalidade.


3. DESTINO


A humanidade Glorificada, no novo paraíso, o céu, vivendo plenamente.


Nesse terceiro ciclo, o papa responde como será a nossa relação com o corpo e

a sexualidade no céu, na eternidade.


Nessa primeira parte as catequeses, são respondidas as questões mais

fundamentais do coração humano:


1. Quem sou?

2. De onde vim?

3. Onde estou?

4. Para onde vou?


PARTE 2: O SACRAMENTO


Na segunda parte das catequeses, o papa dedica-se a falar sobre o Sacramento do Matrimônio, baseando-se no capítulo cinco Carta de São Paulo aos Efésios, que compara o amor do homem e da mulher ao Amor de Cristo e da Igreja!


O papa expõe o ensinamento sobre o Matrimônio em 3 momentos:


1. A DIMENSÃO DA ALIANÇA DA GRAÇA


A imagem que mais aparece na Bíblia para expressar o amor de Deus por nós é a imagem do matrimônio (Oséias 2, 18.21s; Is 62, 4s; Cântico dos cânticos; só para citar algumas). Mas essa imagem do amor esponsal associado a relação de Deus para connosco, foi elevada ao mais alto grau, quando o matrimônio é comparado ao amor de Cristo e da Igreja! E é por isso que o Apostolo Paulo diz que: "Esse mistério é grande!"(Ef 5, 32).


Assim, os esposos cristãos, podem compreender, recuperar e viver o plano original de Deus para o casamento, com a ajuda da graça de Cristo. Pois o sacramento no matrimônio é a redenção do amor humano e da sexualidade e o restabelecimento da ordem inicial perturbada pelo pecado. É uma graça radical, que atinge e alcança as nossas raízes mais profundas.


2. DIMENSÃO DO SINAL


O sinal sacramental do matrimônio não consiste somente nas promessas matrimoniais feitas pelos noivos na Igreja. A união em uma só carne, através da relação sexual, é também parte constituinte do sinal sacramental. Portanto, as próprias palavras: "Eu te recebo como minha esposa, meu esposo" (...) só podem ser cumpridas através da relação sexual.


A linguagem do corpo na relação sexual demonstra a capacidade que ele tem de expressar a total doação de si a outra pessoa. Pois o ato sexual não é um ato meramente físico, pois a pessoa é corpo e alma. Portanto, a entrega do corpo representa a total autoentrega da pessoa. É por isso que a relação sexual é a mais alta expressão de amor entre um homem e uma mulher, porque "uma pessoa não pode doar nada maior a outra do que a si mesma".


Portanto, para exercer o autêntico profetismo do corpo, o ato sexual deve expressar a verdade do amor do casal. Porque podemos mentir com o corpo se na relação sexual falamos uma coisa e no coração e cotidiano vivemos outra. Pois o ato sexual é a liturgia dos corpos e a celebração do amor conjugal.


3. A LEI DA VIDA COMO HERANÇA


É nessa última parte da Teologia do Corpo que ela atinge o seu auge.

Pois sabemos que existe uma grande resistência entre os próprios católicos em relação ao ensinamento moral da Igreja sobre os métodos contracetivos.

Sinal claro disso é rejeição à doutrina presente na Encíclica Humanae Vitae (sobre a vida humana).

Porém, nessas últimas catequeses, com base em tudo o que foi exposto na Teologia do Corpo, o Papa João Paulo II deixa explícito que o ensinamento contido na Humanae vitae não é para aprisionar os casais cristãos, mas para libertá-los. Pois somente a verdade nos torna livres para amar. Não é uma questão de pode ou não pode, mas sim de dizer a verdade ou mentir com o corpo.


Pois a fertilidade é um dom e não uma doença. Os filhos são uma bênção e não um fardo. Todo o ato sexual deve estar aberto à vida. Isso não significa que toda relação sexual deva necessariamente gerar um filho.

Primeiro porque biologicamente isso é impossível. Segundo, porque o casal, pode sim, por razões sérias (que não brotem do egoísmo) espaçar o nascimento dos filhos. Para isso devem recorrer à lei natural, respeitando os períodos de fertilidade e infertilidade do corpo da mulher.


Existe uma diferença brutal entre fazer uso dos métodos artificiais e recorrer aos meios naturais. Pois no primeiro caso, os casais se comportam como árbitros da vida, manipulam e ferem a sua sexualidade e a do cônjuge, falsificam a verdade do amor conjugal e alteram a linguagem da doação total, para uma doação parcial. Pensam que estão falando a verdade, mas estão mentindo com os seus corpos.


Já no segundo caso, os casais aceitam a natureza humana, respeitam a conexão inseparável do significado unitivo e procriativo do sexo, comportam-se como ministros do plano de Deus e usufruem da sexualidade dentro do dinamismo da entrega total, sem manipulações e alterações. Além, de assumirem um estilo de vida que abraça a virtude do autocontrole, através da abstinência periódica, que fortalece ainda mais a doação e a união do casal.


A Teologia do Corpo refere-se sobre os métodos naturais, mas não aponta um método natural específico e nem dá a orientação prática sobre como usá-lo, pois, essa é uma escolha e responsabilidade do casal. O papel e a preocupação do Papa é oferecer os fundamentos morais.

Primeiro, porque muitos pensam imediatamente no método da tabelinha das nossas avós. E segundo, porque a cultura atual exalta demasiadamente os anticoncecionais como a última salvação para a vida sexual dos casais, e ainda por cima ridiculariza e desinforma completamente sobre os métodos naturais.


Não podemos esquecer que os métodos artificiais, como por exemplo, a pílula anticoncecional, existe há cerca de 50 anos para cá e toda a humanidade viveu tranquilamente sem ela antes disso. Mas você precisa e tem o direito de saber que existem diversos métodos naturais, comprovados cientificamente e até aprovados pela Organização Mundial da Saúde, inclusive mais eficazes e saudáveis do que os métodos artificiais (que por sinal fazem parte da indústria lucrativa do sexo!).


Pois não existe um método natural da Igreja, e sim a orientação da Igreja para o uso dos métodos naturais, quando necessário. Pois é o casal que decide como viverá a sua vida sexual de acordo com a lei moral. A minha dica para você é o Método de Ovulação Billings.




19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Post: Blog2_Post
bottom of page