top of page
Buscar
  • Foto do escritorConteúdos Católicos

A intimidade com Nosso Senhor


A vida de amor para com Deus e o Salvador tem sido então o ideal cristão de todos os tempos; nós o vimos pelo testemunho dos padres, dos Doutores, dos santos e dos escritores ascéticos.

Por vezes esta união de amor se acentua até tornar-se esta intimidade assombrosa de que fala a Imitação de Cristo. Tal foi a graça de Sto. Antônio de Pádua, de S. Francisco de Assis, de Sta. Gertrudes, de Sta. Tereza.


Mas eis que com o reino do Sagrado Coração, esta intimidade se torna mais frequente e fácil. Nosso Senhor a prometeu a Santa Margarida Maria: Seu divino Coração nos foi dado como oceano inesgotável das graças mais preciosas.

Quantas almas santas se elevam agora a uma familiaridade incompreensível com o seu esposo divino! Vede Tereza do Menino Jesus, favorecida com a amizade do divino Menino de Nazaré.

Gertrudes Maria admitida tão frequentemente a íntimas conversações com o bom Mestre.

Isabel da Santíssima Trindade, a Irmã Maria de Jesus Crucificado, a Madre Verônica, a Irmã Celina de Talence e muitas outras. Essas almas santas foram favorecidas por graças extraordinárias; mas sem ir até lá, muitas almas parecem elevar-se aos graus de oração em que o Sagrado Coração as atrai para se unir a elas intimamente.


Almas de boa vontade, hauri abundantemente nestas fontes do Salvador; elas vos serão abertas amplamente se vós trabalhardes pelo reino do Sagrado Coração, em vós mesmas e ao redor de vós. A vida da infância espiritual, tão cara a Sta. Tereza do Menino Jesus, concorda com a vida de intimidade. Nosso Senhor nos convida a ela quando diz: "se não vos fizerdes como crianças, não entrareis no reino de Deus" (Mt 18, 3).


Mons. Gay falou bem da vida de intimidade com Nosso Senhor: "A intimidade é a consciência que têm aqueles que se amam da harmonia que há entre si: consciência cheia

de luz, de unção, de alegria e de fecundidade. É a experiência e o sentimento de seus atrativos mútuos, de sua afinidade, de sua inteira conveniência, senão de sua semelhança perfeita.

É o instinto refletido do acréscimo de bens que eles trazem um ao outro e do complemento que eles fazem um ao outro se, como acontece sempre entre as criaturas, elas têm necessidade de serem completadas.

É uma igualdade preparada pela natureza, confirmada pela graça, e consumada por um amor que se tem naturalmente afirmado.

É a união até a unidade, entretanto, a unidade sem a solidão. É uma segurança recíproca, uma confiança sem limites, uma simplicidade consentida, tornando as almas todas transparentes; enfim e em seguida, é a plena liberdade que elas se dão sempre de se olharem e de se verem até a última profundeza.

Sob um aspeto menos interior, mas não menos necessário, é a liberdade e o repouso assegurado no exterior; a isenção de tudo que divide, distrai ou importuna; a ausência de tudo que é indiferente, de tudo que é estranho, de tudo que é profano.

É o amor em paz e abrigado, o amor em si, no seu lar, no seu santuário, lar impenetrável e santuário inviolável.

Oh! meu Deus! um estado possível, é uma relação possível entre a criatura e vós?

Sim, a intimidade convosco é possível, ó meu Deus...

E vós não o permitis somente, vós a esperais e vos dignais a no-la oferecer".

Sim, o coração de Jesus solicita de nós, coração para coração, a mais terna e a mais doce intimidade. Ele quer que nós sejamos como seus irmãos, seus amigos, seus filhos, suas esposas.


Dos escritos de Padre Léon Dehon



A Devoção ao Sagrado Coração de Jesus nos ajuda imenso a ter intimidade de coração para coração.

Buscarmos dia após dia, essa intimidade tão terna, tão amiga, tão necessária para nela encontrarmos a base de uma vida mais centrada no amor e com mais serenidade.

Nossa alma precisa dessa fonte que transborda do Sagrado Coração de Jesus, todo o alento que preenche a vida da alma.

Enquanto não tivermos essa proximidade que falta à nossa existência, não conseguiremos amar como Jesus ama.

Tenhamos essa amizade íntima pela oração e adoração.

Reservemos tempo para estarmos a sós com Nosso Senhor mais vezes possíveis. Isso nos proporcionará uma vida de mais intimidade com Ele e calemos mais os "barulhos" internos e externos (Inquietação, preocupação, agitações exteriores e etc.) que somente nos prejudicam na presença Daquele que Está à nossa espera à todo o momento e desfrutemos cada minuto de estarmos a sós com Ele e assim notaremos que, a nossa vida será muito melhor.


Finalização de Claudia Pimentel dos Conteúdos Católicos


95 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


Post: Blog2_Post
Gabriel e mãe tela verde1.png
bottom of page