top of page
Buscar
  • Foto do escritorConteúdos Católicos

Graças abundantes são reservadas para aqueles que são humildes

Sem dúvidas que, assim como a nossa Mãe do Céu, foi elevada à grande glória por sua humildade, devemos nós também, por sua imitação, embora não sendo como Ela, preservados do pecado original, humilharmo-nos por tão desprezíveis criaturas pecadoras que, todos nós somos, aceitando o nosso nada e o reconhecendo, para unirmo-nos à grandeza que é estar em Cristo Jesus mediante à humildade.

Saber e viver que nada possuímos e somos, nos preenchendo da riqueza espiritual que somente Jesus pode nos preencher.

Não devemos, de forma alguma, buscar o conhecimento e o progresso interior e pleno, fora de Cristo.

E à medida que formos exercitando no dia a dia, essa convicção, nos assemelharemos quanto a essa humildade em que nos forma a nossa Mãe Santíssima para nos conduzir a sermos semelhantes ao seu Divino Filho, e que por meio desta virtude provém as graças mais abundantes e mais facilmente se conquistará as demais virtudes que moldam uma vida de santidade.



Maria Meu filho, quero te ensinar um segredo para obteres de Deus imensas graças: é sempre te julgares indigno de as receber. Deus "dá Suas graças aos humildes" (Tg 4,6). Em um coração cheio de si mesmo, não encontra lugar para os Seus favores.


O Servo Ó Rainha dos Santos, exemplos nos destes disso, exemplos que nos valem como fecunda fonte de ensinamentos.

Basta considerar o modo como vos comportastes durante a visita do Anjo, vindo por ordem do Senhor, para que vejamos os sentimentos de humildade de vossa parte.


O Anjo vos anunciou que próxima estava a hora de serdes Mãe de Deus; e todavia não podíeis entender como Deus se dignara vos escolher para tão eminente dignidade.

A ideia de tão culminante elevação sobre a natureza humana de algum modo vos tornou suspeitosa a visita d'aquele Anjo. E no momento em que o Ser Supremo se resolvera encerrar- Se em vosso seio, só pensastes em vos abismar no vosso "nada".

De quantos títulos relacionados com a dignidade de Mãe de Deus, só bem quisestes imprimir no espírito o de "Serva do Senhor". Nova Eva, bem diferente da primeira Eva quisestes ser. O orgulho daquela foi a causa da perda dos privilégios divinos. Mas a vossa humildade foi a fonte mesma dos vossos privilégios.

Para "operar" em vós "grandes maravilhas", o Todo-Poderoso não levou em conta vantagens naturais ou nobrezas de origem, senão antes a vossa condição modesta. Fora natural que um Deus, humilhando-Se até à natureza humana de que se revestiu, tivesse infinitas complacências para com a humildade. Convinha que para sua mãe escolhesse aquela que, por uma profunda humildade, mereceria sem dúvida a mais alta de todas as dignidades. A Deus agradastes pela virgindade.

E pela humildade, Senhora, foi que a Deus concebestes!


Maria Aos olhos de Deus, filho meu, bem mais ainda que aos dos homens, o que mais méritos têm é o que menos julga ter, ainda quando muitos méritos possua. Na verdade, o que Deus com complacência "olha no céu e na terra? As almas humildes" (SI 112,6). "Sobre quem porei as minhas vistas", di-lo Ele próprio, "senão sobre o pobre, o que tem o espírito humilhado?" (Is 66,2).

Causa é o orgulho da pobreza de tantos cristãos vazios dos bens da graça. Se estudassem a si mesmos, o conhecimento próprio lhes daria a humildade, e esta, por atrair novas graças, remediaria a indigência deles. Esvazia-te de ti mesmo, filho, para que de seus dons te farte Deus. Faze-te rico, confessando em teu íntimo que não és mais que miséria. Se te mostrares humilde, de ti se servirá Deus para Sua glória aos que não pretendem usurpá-La nem dela se favorecer.

Quando de Deus alguma graça receberes, pensa com humildade e reconhecimento quanto necessário é que seja Deus um "bom Mestre" para gratificar assim ao último dos Seus servos. Nada atribuas a ti mesmo, daquilo que faças de bom ou de bom possuas. Ainda quando correspondas com fidelidade à graça que recebeste, lembra-te que fiel não poderias ser se acaso te faltasse o socorro da mesma graça. Se Deus recompensa a tua fidelidade, são os seus próprios dons que Ele coroa.

Traze sempre contigo estes três sentimentos: Deus é tudo, eu sou nada; Deus possui tudo, eu só miséria possuo; Deus pode tudo, eu nada posso sem o Seu auxílio.

Então, em nada seres, nem possuíres nem poderes, algo serás aos olhos de Deus. Verás assim como te concederá o Senhor de bom-grado os seus favores, e que forças te dará para que saias vitorioso contra todos os inimigos que te venham a atrapalhar os passos na senda da perfeição cristã!


Introdução de Claudia Pimentel dos Conteúdos Católicos

Texto da Obra: "Imitação de Maria".


Outros artigos que podem ser do seu interesse:






70 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


Post: Blog2_Post
bottom of page