top of page
Buscar
  • Foto do escritorCidade Radio

DOIS PRINCÍPIOS DE PACIÊNCIA



“Pela vossa paciência salvareis vossas almas” (Lc 21,29).



Se queres praticar a paciência procura comportar-se na ordem emocional e racional como um cardíaco o faz na ordem física. Ele movimenta-se deliberadamente, anda lentamente, trabalha metodicamente. Evita impaciência, excitação e não é violento. Se os homens procedem assim pela sua saúde física, certamente o farás também pelo teu bem espiritual. Eis dois princípios para adquirires a paciência: não te apresses, não levantes a voz. A pressa produz tensão, enganos, irritação. Levantar a voz destrói a paz e a serenidade.


Eis como deves proceder. Pela manhã faze um ato de abandono entregando-te a Mim, aceitando com indiferença tudo que Eu permita acontecer durante o dia. Isto ajudará a paz e tranquilidade da tua alma. Mas lembra-te que és uma criatura composta de corpo e alma e que tudo que o coro faz, afeta a alma. Por isso deves também procurar manter teu corpo em paz. Quando te, faze-o a tempo para que possas te preparar sem precipitação. Vais à Missa? Sai cedo para que possas ir com tranquilidade. Quando comes, faze-o calmamente. Quando te levantas da mesa para teu trabalho, faze-o outra vez tranquilamente.


Durante todo o dia conserva esta calma sem precipitação, simples, tranquila. Se a perderes, procura readquiri-la sem violência, sem agitação. Anda lentamente, fala delicadamente, move-te calmamente. Cada coisa a seu tempo. Procura conservar a serenidade e a liberdade sempre, especialmente nas ações rotineiras: levantar-se, sentar-se, descansar, comer, andar, dirigir o carro ou atender o telefone. Faze tuas ações um pouco mais lentamente, baixa tua voz, fala calma e delicadamente. Leva esta atitude para o teu trabalho e aos poucos verás como produzes mais e melhor. Tua inteligência funcionará mais logicamente, tuas emoções serão mais controladas e sua saúde física e mental será melhor. Verás que é muito mais fácil dominar os primeiros movimentos de ira quando surgem do que irar-se e não pecar. Põe em prática o aviso de S. Tiago: “Todo homem seja pronto para ouvir, porém, tardo para falar, e tardo para se irar. Porque a ira do homem não cumpre a justiça de Deus”(Tg 1,19-20).

Considera também a palavra do salmista: “Guarda-te da ira, e deixa o furor; não te exasperes, para não fazer o mal. Porque os que cometem o mal serão exterminados” (Sl 36,8-9).


Com esta paciência progredirás também em todas as demais virtudes. A ordem da vida espiritual é muito semelhante à do universo: causa e efeito, uma coisa levando a outra e tudo dependendo e levando ao teu Deus, teu criador e sustentador. Toda vida espiritual tende à simplicidade, ao esforço sério por fazer a tarefa que te destinei.



Dize agora Comigo esta oração para obter a paciência:



“Ajuda-me, ó Mestre, a aprender e a praticar a paciência. Quando eu estiver tenso com as coisas materiais, que meus passos sejam mais lentos e meus pensamentos mais tranquilos. Quando eu for tentado a encolerizar-me por causa da violação real ou imaginada de meus direitos, lembra-me que vivo em Comunhão Contigo. Inspira-me o pensamento de que, antes de agir, devo consultar-Te. Ajuda-me a ser bondoso, manso, humilde diante de insultos, de privações e de todas as injúrias. Divino Mestre, ensina-me a paciência, a mansidão, ensina-me a paz”.


"Cristo Minha Vida" de Clarence J. Enzler.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Post: Blog2_Post
bottom of page