top of page
Buscar
  • Foto do escritorConteúdos Católicos

Confissões do Inferno

Atualizado: 16 de nov. de 2023







Acompanhe trechos de um exorcismo feito pelo Sacerdote Exorcista Gabrielle Amorth (E) em 1975 num possesso do demónio Akabor (A), demônio do coro dos Tronos:


...o inferno é horrível.

Akabor (A): - Tenho ainda que falar...

Exorcista (E): - Diz a verdade e só a verdade, em Nome da SANTÍSSIMA TRINDADE, da Santíssima Virgem MARIA da Imaculada Conceição (...).

(A): - Sim, em Seu Nome, e em Nome dos Tronos de onde venho, tenho ainda que falar. Eu estava nos Tronos. Eu, Akabor, tenho que dizer (respira ofegantemente e grita com uma voz horrível) como o inferno é horrível. É muito mais horrível do que se pensa. A Justiça de DEUS é terrível; terrível é a Justiça de DEUS! (grita e geme).


(E): - Continuará a dizer a verdade, em Nome da SANTÍSSIMA TRINDADE (...) diz o que DEUS te ordena.

(A): - O inferno é bem pior do que a primeira vista e superficialmente poderíeis pensar. A Justiça... e naturalmente também a Misericórdia estão lá, mas é preciso muita confiança, é preciso rezar muito, é necessária a Confissão, tudo é necessário. Não se deve condescender facilmente com os modernismos. O Papa é que diz a verdade.


(E): - Continua, em Nome da SANTÍSSIMA TRINDADE, da Santíssima Virgem MARIA da Imaculada Conceição! Continua em Nome dos Santos Tronos! Continua!

...a juventude é enganada.


(A): - Os lobos estão agora...

(E): - Diz a verdade, só a verdade, em Nome (...)

(A): - Os lobos estão agora no meio de vós, mesmo no meio dos bons.

(E): - Diz a verdade, só a verdade! Nós te ordenamos em nome (...)

(A): - Como já disse, tomam a forma de Bispos e Cardeais.

(E): - Continua a dizer a verdade, em Nome (...)

(A): - Digo isto bem contra a minha vontade. Tudo o que digo é contra a minha vontade. Mesmo a juventude ... a juventude é enganada. Pensa que poderá com algumas...


(E): - Diz a verdade, em Nome (...), tu não podes mentir!

(A): - Com algumas obras caritativas alcançar o Céu; mas não pode, não! Nunca!


(E): - Continua a dizer a verdade, em nome dos Santos Tronos, a verdade total em nome (...)

(A): - Os jovens devem, embora me custe muito tenho que dizer...


(E): - Continua a dizer a verdade em Nome da SANTÍSSIMA TRINDADE! Tens de dizê-la em Nome (...)


...a Comunhão na boca...


(A): - ...Devem receber convenientemente os Sacramentos... Fazer uma confissão verdadeira, e não apenas participar nas cerimônias penitenciais e na Comunhão. Na



Comunhão, o celebrante deve dizer três vezes, "...Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei (...), e não uma vez só. Devem receber a Comunhão na boca, e não na mão.

(E): - Diz só a verdade em Nome do Preciosíssimo SANGUE, da Santa Cruz, da Imaculada Conceição...

(A): - Nós trabalhamos durante muito tempo, lá em baixo (aponta p/ baixo) até conseguirmos que a Comunhão na mão fosse posta em prática. A Comunhão na mão é muito boa para nós, no inferno; acreditai!


(E): - Nós te ordenamos, em Nome (...) que digas somente o que o Céu te ordena! Diz só a verdade, a verdade total. Tu não tens o direito de mentir. Sai desse corpo! Vai-te!

(A): - ELA (aponta p/ cima) quer que eu diga...


(E): - Diz a verdade, em Nome (...).

(A): - ELA quer que eu diga... que se ELA, a grande SENHORA, ainda vivesse, receberia a Comunhão na boca, mas de joelhos, e haveria de se inclinar profundamente assim (mostra como procederia a Santíssima Virgem).


(E): - Em Nome da Santíssima Virgem (...) diz a verdade!

(A): - Tenho que dizer que não se deve receber a Comunhão na mão. O próprio Papa dá a Comunhão na boca. Não é da sua vontade que se dê a Comunhão na mão. Isso vem dos seus Cardeais.


(E): - Em Nome (...) diz a verdade!

(A): - Deles passou aos Bispos, e depois os Bispos pensaram que era matéria de obediência, que deviam obedecer aos Cardeais. Daí, a idéia passou aos Sacerdotes e também eles pensaram que tinham de se submeter, porque a obediência se escreve com maiúsculas.


(E): - Diz a verdade. Tu não tens o direito de mentir em Nome (...).

(A): - Não se é obrigado a obedecer aos maus. É ao Papa, a JESUS CRISTO e à Santíssima Virgem que é preciso obedecer. A comunhão na mão não é de modo algum querida por DEUS.


(E): - Continua a dizer a verdade, em Nome (...)

(A): - Os jovens devem habituar-se a fazer peregrinações. Devem voltar-se, cada vez mais, para a Santíssima Virgem; não devem bani-LA. Devem...devem reconhecer a Santíssima Virgem, e não viver segundo o espírito dos "inovadores". Não devem aceitar absolutamente nada deles (grita, cheio de fúria).

Eles é que são bobos. A esses já os temos, já os temos bem seguros.


(E): - Continua, diz a verdade, em Nome (...)

(A): - Os jovens atualmente crêem que realizam coisas maravilhosas quando fazem algumas obras caritativas, e se reúnem uns com os outros; mas isso não é nada. É preciso que os jovens façam sacrifícios, que adquiram espírito de renúncia; é preciso que rezem. Devem freqüentar os Sacramentos, devem freqüentá-los ao menos uma vez por mês. Mas a oração

e o sofrimento são também importantes. Antes de tudo isto, tenho ainda que dizer...


(E): - Continua a dizer a verdade, em Nome (...), diz o que a Santíssima Virgem te ordena!

(A): - ... Antes disto tenho que dizer que o mundo de hoje, mesmo o mundo católico, esqueceu por completo esta verdade: é preciso sofrer pelos outros.

Caiu no esquecimento que todos vós formais o Corpo Místico de CRISTO, e que deveis todos sofrer uns pelos outros (chora como um miserável e geme como um cão).

CRISTO não realizou tudo na Cruz. Abriu-vos as Portas do Céu, mas os homens devem reparar uns pelos outros. As seitas dizem que CRISTO fez tudo, mas isso não corresponde à verdade. A Paixão de CRISTO continua. Em SEU Nome, ela continuará até o fim do mundo (resmunga).


(E): - Continua, em Nome da Santíssima Virgem, diz o que ELA manda que digas.

(A): - É preciso que ela (a Paixão de CRISTO) continue. Tem que sofrer uns pelos outros e oferecer os sofrimentos em união com a Cruz e os sofrimentos de CRISTO. Deve-se sofrer em união com a Santíssima Virgem e com todas as renúncias que ELA suportou durante Sua Vida; unir os próprios sofrimentos, nos horríveis sofrimentos de CRISTO na Cruz e na SUA Agonia no Jardim das Oliveiras. Esses sofrimentos foram mais terríveis do que aquilo que os homens poderão pensar.

CRISTO, no Jardim das Oliveiras, não sofreu apenas como podereis talvez pensar. ELE foi esmagado pela Justiça de DEUS, como se ELE próprio tivesse sido o maior dos pecadores; como se estivesse condenado ao inferno. Teve de sofrer por vós, homens, do contrário, não teríeis sido salvos. Teve de suportar os mais terríveis sofrimentos, a ponto de pensar que iria para o inferno.

Os sofrimentos foram então tão fortes que ELE se sentiu completamente abandonado pelo PAI Celeste; Suou Sangue, porque se sentiu totalmente perdido para o PAI, e abandonado por ELE. Sentiu-se esmagado como se fosse um dos maiores pecadores.

Eis o que ELE fez por vós, e vós deveis imitá-LO.

Estes sofrimentos têm um valor imenso. Esses sofrimentos, esses momentos obscuros, esses terríveis abandonos, quando se está convencido de que tudo está perdido, e que o melhor é pôr termo à vida... Eu não quero dizer mais, não... (respira com grande dificuldade...).


(E): - Continua a dizer a verdade, em Nome (...)

(A): - É precisamente quando se sofre assim, quando tudo parece perdido, quando a pessoa se julga totalmente abandonada por DEUS, quando crê ser a mais miserável das criaturas, é então que DEUS pode meter a SUA Mão no jogo. Estes sofrimentos, estes horríveis e tenebrosos sofrimentos, são os mais valiosos (lança uivos e gritos terríveis) que existem. Mas é precisamente isto que a juventude desconhece. A maioria dos jovens ignoram-na, e é aí que reside o nosso trunfo.


(E): - Continua a dizer a verdade, em nome (...).

(A): - Muitos, a maioria, suicidam-se quando se crêem abandonados por DEUS e pensam ser as criaturas mais miseráveis. Por mais escura que seja a noite, DEUS está próximo deles, embora eles já não O sintam! DEUS está então como se já não estivesse. De fato, momentaneamente a SUA Presença deixa de lhes ser perceptível, mas apesar disso devem imitar os sofrimentos de CRISTO, sobretudo os que ELE chamou a sofrer muito.

Há muitos que então pensam que já não são normais, a maior parte o é, e então capitulam; capitulam muito mais facilmente. Pensam então que tem que se suicidar, porque já ninguém os compreende. É o nosso triunfo. A maioria vai para o Céu, mas apesar disso é o nosso triunfo, por que...


(E): - Continua em Nome (...).

(A): - ... Não cumpriram a sua missão; deveriam ter continuado a viver.


(E): - Continua em Nome (...).

(A): - No mundo de hoje há cruzes extremamente pesadas. É ELA que o manda dizer (aponta para cima). Essas cruzes são muitas vezes mal suportadas.

Cruzes visíveis, como o câncer e defeitos físicos ou outras enfermidades. São muitas vezes mais fáceis de suportar que as angústias ou noites do espírito que muitas pessoas têm de agüentar, atualmente.

ELA, lá em cima (aponta para o alto), manda dizer o que já uma vez transmitiu através de uma alma privilegiada. «EU enviarei aos Meus filhos sofrimentos tão grandes e profundos como o mar».* Esses a quem foram destinadas Cruzes tão pesadas, alguns escolhidos de há muito, não devem desesperar.


* Trata-se aqui da mensagem de Marienfried, dada na Alemanha, em 1945. Conforme o livro "A Paz de MARIA", editora ACTIC.


(E): - Em Nome da SANTÍSSIMA TRINDADE, do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO, diz Akabor, o que a Santíssima Virgem te manda transmitir!

(A): - Estas cruzes que acabo de referir, são cruzes que parecem inúteis, absurdas. Podem levar ao desespero. Muitas vezes parecem impossíveis de suportar, mas são essas as mais preciosas. Eu, Akabor, quero ainda acrescentar: ELA (aponta para cima) quer gritar a todos esses que carregam uma cruz: «Coragem! Não desanimeis! Na Cruz está a Salvação, na Cruz está a vitória. A Cruz é mais forte do que a guerra».


(E): - Continua em Nome (...).

(A): - O modernismo é falso. É preciso virar as costas ao modernismo. É obra nossa, vem do inferno. Mesmo os Sacerdotes que difundem o modernismo, nem sequer estão de acordo entre si. Ninguém está de acordo. Só este sinal vos deveria bastar.


(E): - Continua em Nome da Imaculada conceição! Diz a verdade, em Nome (...).

(A): - O Papa é atormentado pelos seus Cardeais, pelos seus próprios Cardeais... Está rodeado de lobos.


(E): - Diz a verdade em Nome (...)

(A): - Se não fosse assim, poderia dizer mais, mas Ele está como que paralisado. Já não pode fazer muito; agora, já não pode fazer muito. Deveis rezar muito ao ESPÍRITO SANTO, rezar agora e sempre ao ESPÍRITO SANTO.

Então, compreendereis no mais profundo de vós mesmos o que é preciso fazer.

Aconteça o que acontecer, não vacileis na vossa antiga fé.

Devo dizer que este Segundo Concílio do Vaticano não foi tão bom como se pensa. Em parte, foi obra do inferno.


(E): - Diz a verdade, em Nome (...)

(A): - Sem dúvida, que havia certas coisas que precisavam ser mudadas, mas a maior parte, não. Acreditai-me! Na Liturgia não havia praticamente nada que necessitasse ser mudado. Mesmo as leituras e o próprio Evangelho não deviam ser lidos em línguas nacionais. Era bem melhor que a Santa MISSA fosse celebrada em latim. Considerai por exemplo, a Consagração; basta a Consagração, é típico. Na Consagração empregam-se as palavras: "Isto é o Meu Corpo que será entregue por vós". E, em seguida, diz-se "Este é o Meu Sangue que será derramado por vós e por muitos." Foram estas as palavras de CRISTO.


(E): - Não é correto dizer "por todos"? Diz a verdade em Nome (...)

(A): - Claro que não! As traduções nem sempre são exatas, e esse é, sobretudo, o caso de "por todos". Não se deve e não se pode dizer "por todos"; deve dizer-se "por muitos". Se o texto não está correto, já não encerra a Plenitude de Graças. Claro que a Santa MISSA continua a ser válida, mas o canal de graças corre agora parcimoniosamente. E a Consagração já não acarreta tantas graças, como quando o Sacerdote pronunciava convenientemente, de acordo com a Tradição Antiga e com a Vontade de DEUS. É preciso

dizer-se "por vós e por muitos", tal como CRISTO disse.


(E): - Então não é verdade que CRISTO tenha derramado O SEU SANGUE, por todos? Diz a verdade, em Nome (...)

(A): - Não. ELE bem que desejou derramá-LO por todos, mas de fato ELE não foi derramado por todos.


(E): - Por que muitos O recusaram? Diz a verdade, em Nome (...)

(A): - Exatamente. Assim, ELE não derramou o SEU SANGUE por todos, pois não o derramou por nós, os do inferno.


(E): - Diz a verdade, em Nome (...)

(A): - O novo ordinário da MISSA (os Bispos, mudaram a MISSA Tridentina), a nova MISSA, não corresponde a Vontade d'ELES, lá em cima (aponta para o alto).


(E): - Que é isso de MISSA Tridentina? É a Antiga MISSA, prescrita pelo Papa São Pio V? Diz a verdade, em Nome (...)

(A): - É a melhor que existe; é a MISSA-tipo, a verdadeira e a boa MISSA (geme).



Na MISSA do Papa Paulo VI, em latim, conservou-se a fórmula correta. De fato, aí se diz:

"Pro multi", ou seja, "por muitos". As traduções, inclusive as de língua portuguesa, atraiçoaram o texto, criando uma palavra inexistente: "por todos".


De certo CRISTO teria resgatado os demônios, se isso tivesse sido possível, mas eles já

tinham se condenado à perdição eterna, conforme a Justiça Divina. Portanto, é evidente que o Preciosíssimo SANGUE do Senhor não foi derramado pelos demônios. Em princípio, a Redenção de CRISTO destinava-se a todos os homens, mas na prática estava limitada pela sua liberdade de recusa.

Assim o SANGUE de CRISTO não beneficiou aqueles que O recusaram. Deste modo e por suas próprias culpas, no exercício do livre arbítrio concedido pelo PAI, foram condenados ao inferno, onde partilham do destino irrevogável dos demónios.


A celebração da Santa MISSA Tridentina, de São Pio V foi autorizada pela Santa Sé, em

um documento assinado pelo saudoso Papa João Paulo II.



Somente em sujeição ao Senhor e à Santíssima Virgem, o diabo e os seus demónios contam a VERDADE durante os exorcismos.

Neste texto acima, constam muitas verdades que se sucederam em nossa Igreja e no mundo.

São relatos de aprovações pelo clero e de maus comportamentos na sociedade que se fossem evitados, o mundo hoje em dia não estaria mal como está e teríamos um tempo melhor mais prolongadamente.

Agora que conhecemos o que aqui está exposto, vivamos com mais diligência e perfeição para que com os nossos atos de agora, possamos amenizar os acontecimentos que o futuro nos reserva.


Finalização de Claudia Pimentel dos Conteúdos Católicos












239 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Post: Blog2_Post
bottom of page