top of page
Buscar
  • Foto do escritorConteúdos Católicos

A FORÇA DO PRECIOSÍSSIMO SANGUE

Atualizado: 13 de jul. de 2023


O Sangue é a vida do corpo, o fluído que irriga o coração, o cérebro, os membros e todas as

pequeníssimas células do organismo. A perda de sangue, o sangue debilitado, origina a morte do homem, que por aquela fraqueza vê esvair-se o princípio da vida.

Por isso se diz com razão que dar sangue é dar vida. Dar sangue bom, sangue saudável, ao necessitado é ato meritório e apreciadíssimo. As organizações de saúde não cessam de pedir doadores de sangue porque os que precisam daquele rico fluído vermelho são cada vez mais. E os doadores são cada vez menos.

Dar sangue é de facto dar vida, porque a morte espreita os que infelizmente o não têm.


O GRANDE DOADOR


O grande doador de sangue puro, bom, saudável, é Jesus Cristo. Deu-o até ao fim no alto do Calvário e continua a oferecê-lo à Humanidade em cada instante, para que ela o introduza na sua corrente sanguínea debilitada e contaminada. Ele quer, com isso, dar-nos

a Vida, e a Vida em abundância, como o sangue do homem não pode dar. Tão atarefados andamos, que nem chegamos a dar por esta fonte de vida que jorra continuamente, ignorando-a ou esquecendo-a. Necessitados de cura, continuaremos doentes; cheios de

fraquezas, permaneceremos na debilidade; atacados pelas dores, não alcançaremos o estado saudável. É isto que provoca esta dolorosa exclamação do Senhor, recolhida na «Mensagem do Amor Misericordioso às Almas Pequenas» dada a Margarida:


«E todos estes indiferentes que Me desprezam!... O seu coração é duro como a rocha. Todavia, Eu derramei o meu Sangue por eles. Foram salpicados por ele. Nem deram por isso». (31-5-66).

E Margarida, narra, tristemente: «Ouço dolorosamente em mim o apelo angustiante do Salvador, que receia ter derramado inutilmente por muitos o Seu Precioso Sangue...» (28-5-67).


E a Amparo Cuevas , a vidente do Escorial, em Espanha, o Senhor dizia, ainda em 1988:


«Alimenta-te no meu Lado. Impregna-te do meu Sangue. Impus aos homens a lei do Amor mas eles destruíram-na.

Imponho-te também a ti esta lei, não recuses nada ao teu Jesus e Ele não te recusará nada. Só aquele que está impregnado com o Sangue de Cristo pode compreender e fazer frutificar o Amor. Torno a dizer-te: bebe na Chaga do meu Lado».


Parece não se poder acrescentar mais nada a estas palavras tão significativas, que encerram o segredo mais profundo do Universo: a força imensa do Sangue do Homem-Deus.

Voltemos então a nossa atenção para o Homem-Deus, grande médico do corpo e da alma, e ouçamos o que Ele diz a Isabel Kindelmann, a vidente húngara das revelações da Chama de Amor:


«Eu sou o doador de sangue ao mundo. Podeis inebriar-vos com o meu divino Sangue. Sou o único doador de Sangue ao mundo. Refleti nisto! O meu Sangue sacrossanto aquece a força insensível e inerte das vossas almas e põe-nas em movimento»


A Margarida, agraciada com a Mensagem do Amor Misericordioso, confidencia no mesmo sentido:


«Este sangue derramado é vosso. É ele que vos alimenta e vos dá a vida. Acaso não amaríeis o vosso próprio sangue? Quanto mais ainda o Meu tornado vosso!

Porque definhais tantas vezes? E porque não quereis do meu Sangue e da minha Carne? E o vosso sangue empobrecido não vos dá a força necessária para a vida da alma» (25-6-67).


A Maria Sevray, como a tantas almas privilegiadas mais, Jesus insistia:


«Vinde buscar o que lhes é necessário (aos pecadores) ao meu Sangue, as minhas Chagas, aos meus méritos infinitos. Estes méritos são vossos, se vós quiserdes! Mas, para isso, é preciso acreditar em plenitude. Uma só pequena hesitação impediria, não uma aplicação dos meus méritos, mas a sua aplicação plena e total. Ora, é esta aplicação total que Eu

vos quero fazer. O meu Sangue quer ir a vós em plenitude!»


Nossa Senhora diz à Irmã Maria Marta Chambon:


«Se desejais riquezas, tendes que as vir buscar às Santas Chagas do meu Filho... Ide beber às Chagas do meu Filho!...».


Dirijamo-nos, pois, a essa cascata que se despenha da Eternidade e apropriemo-nos desse Sangue, preço da nossa redenção, de poder incalculável.


A FORÇA DO PRECIOSÍSSIMO SANGUE


S. Gaspar de Búfalo, canonizado por Pio XII em 1954, teve uma profunda devoção ao Sangue de Cristo e foi o fundador dos Missionários do Preciosíssimo Sangue. Aterrado com as visões que lhe foram dadas sobre o futuro da Europa, ocorreu-lhe incitar os seus irmãos de religião a oferecer com muita frequência o Preciosíssimo Sangue ao Eterno Pai, para evitar aquelas calamidades.

Afirmava também com insistência que os que honrassem especialmente o Preciosíssimo Sangue poderiam esperar, com confiança, na Misericórdia divina. Ele próprio teve muitas vezes a oportunidade de verificar a que ponto esta devoção podia acalmar a cólera divina e desviar os castigos. Quando em 1837 a cólera se declarou em Roma, ceifando todos os dias

centenas de vidas, S. Gaspar resolveu organizar, segundo as ordens do Papa, uma grande missão nas igrejas romanas em expiação e penitência, invocando e adorando o Preciosíssimo Sangue, e Deus livrou a população do terrível flagelo.


Santa Madalena de Pazzi exclamou:


«Todas as vezes que uma criatura oferece este Sangue pelo qual foi resgatada, oferece uma dádiva dum preço infinito». Por isso, ela oferecia todos os dias 50 vezes o Preciosíssimo Sangue pela salvação dos vivos e alívio das almas do Purgatório. Num outro êxtase, a mesma santa viu todos os patronos da cidade de Florença diante do Trono de Deus, acompanhados por uma multidão de outros habitantes do Céu; eles intercediam todos pelos pobres pecadores, sem serem atendidos. Depois deles, vieram os Anjos da guarda dos pecadores e também não foram atendidos. Por fim, vieram muitos outros santos que ofereceram, todos ao mesmo tempo, o Preciosíssimo Sangue de Jesus Cristo e, por causa desse Sangue, foram atendidos.


Nosso Senhor revelou ainda a Santa Maria Madalena de Pazzi que nada há de mais eficaz para desarmar a cólera de Deus que oferecer ao Eterno Pai o Sangue de Jesus. A Santa fez desta oferta preciosa um exercício repetido, e escreveu:


«É muito de temer que a impenitência dos pecadores seja proporcional à nossa preguiça. Ah! Se oferecêssemos por sua intenção o Sangue de Jesus Cristo, Deus reconciliar-se-ia com eles e preservá-los-ia das penas eternas. Se um homem oferece a Deus Pai o Sangue de Jesus, faz-lhe uma dádiva superior a todas, dádiva tão grande que Deus, ao recebê-la, se considera devedor da sua criatura».


Na mesma ordem de ideias, Jesus dizia à Irmā Maria Marta Chambon:


«Todas as vossas ações, mergulhadas no meu Sangue, adquirirão, por isso, um mérito infinito e contentarão o meu Coração!».


Finalmente, é o próprio São Pedro que nos adverte:


«Sabeis que fostes resgatados da vossa maneira de viver, não a preço de coisas corruptíveis, prata ou ouro, mas pelo Sangue Precioso de Cristo!...» (1 Pedro 1, 18-19).







120 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Post: Blog2_Post
bottom of page